HISTÓRIA DE SÃO MAMEDE

São Mamede, santo mártir,  nasceu na Capadócia, na Turquia. Filho de Teódoto e Rufina, família muito nobre, que foi denunciada e perseguida por propagarem o cristianismo. A sua mãe, deu à luz prematuramente, falecendo logo de seguida, ao ver o seu marido falecer na prisão.

Deste modo, Mamede ficou entregue aos cuidados de Amia, virtuosa dama de Cesareia(3), que o adoptou e educou dentro dos mais profundos preceitos morais e religiosos.

Desde muito novo Mamede demonstrou uma grande inteligência, tendo apenas alcançado o dom da palavra aquando do baptismo, que se realizava aos cinco anos de idade. Comunicando fluentemente, afirmava: “O meu nome, que me foi revelado por um anjo, será Mamede”.

Assim cresceu, instruindo-se com prestigiados mestres em letras e cultura religiosa, numa sociedade paganizada, onde as autoridades incentivavam as perseguições anticristãs. Aos doze anos, era já admirado e estimado por todos. Aproximava-se dos companheiros da sua idade e ensinava-lhes as verdades da fé, conduzindo-os também ao baptismo e iniciando-os aos cumprimentos dos mandamentos de Deus e à prática das boas virtudes.

No ano 270, o Imperador Lúcio Domicio Aureliano, mandou que Demócrito, sucessor de Alexandre I, anterior governante da região, colocasse coleiras de ferro em Mamede levando-o assim ao Imperador para que renunciasse às suas ideias e se sacrificasse aos ídolos, tendo este conformado a sua devoção a Cristo e guardando a sua fé até à morte. O Imperador, enfurecido e humilhado com a firmeza e destreza daquele homem, ordenou contra ele, as mais cruéis torturas, tendo sido submetido ao suplicio da flagelação: vergastearam o seu corpo com varas, ferros, espinhos e correias; apedrejamento e aplicação de lâminas incandescentes sobre as suas feridas. A resignação deste mártir era sem limites.

Exasperado, o tirano Imperador, ordenou que o afogassem no Rio Karassou, que banhava Cesareia. No instante em que se afogava, e para espanto de todos, viram-no erguer-se das águas, sendo transportado pela mão de Deus, até ao Monte Algeo(4), pondo-o a salvo da ira de Aureliano.

Viveu durante, dois anos, como eremita, solitário nas florestas do Monte Algeo, onde nenhum Ser Humano se atrevia a visitar. Passava os dias em orações e convivia apenas com os animais da floresta. Tinha a virtude de domar as feras selvagens e habitar com elas. Frequentemente, vestido com peles e disfarçado de pastor, descia até Cesareia para o trabalho Apostólico, chegando a doutrinar quarenta jovens.

Numa dessas ocasiões (decorria o ano de 275), Alexandre II, mandou prender Mamede e com ele os 40 jovens cristãos. Foram atirados ao cárcere. Todos os dias, eram visitados por um anjo, que lhes levava mel e leite para se alimentarem.

Por inspiração de Deus, Mamede abriu as portas do cárcere, dando a liberdade aos seus discípulos, não querendo porém ir com eles. Levado à presença do governante, recusou sacrificar-se a Apolo, e foi injustamente condenado à morte. Alexandre II, determinado a destruir aquele que considerava inimigo do Império, ordenou que acendessem uma fornalha e o atirassem para lá. Mamede, fez o Sinal-da-Cruz, quando o colocavam na fornalha, ali permanecendo durante três dias e três noites, inteiramente ileso, entre as chamas, dando Graças a Cristo.

Foi então enviado para um grande anfiteatro, e atirado aos animais, para que fosse devorado por eles: primeiro um Urso e depois um Leopardo. O Urso deitou-se aos seus pés e o Leopardo colocou as patas dianteiras sobre os seus ombros, lambendo-lhe a face.

Finalmente, atiraram-no a dois Leões enfurecidos, mas as feras deixaram-no intacto.

Alexandre II, cheio de despeito por ter sido vencido pela fé daquele jovem, ordenou que lhe abrissem o abdómen com um ferro tridente. As vísceras saíram do seu corpo e todos julgaram que Mamede estaria já morto. Passado algum tempo, ele conseguiu recolher as entranhas, erguendo-se e apoiando-se num cajado, caminhou até ao Monte Algeo. Aí, entregou a sua alma a Deus, recebendo a sua coroa da Glória.

Foi sepultado perto de Cesareia, no ano de 275. A sua fama espalhou-se pelo Oriente, Capadócia e Sicília até à Síria. Cognominado de “o grande mártir”, o culto em sua honra espalhou-se por toda a cristandade.

No martírio Romano, regista-se esse elogio, na data em que se celebra a sua memória: “17 de Agosto, em Cesareia da Capadócia – Entrada no Céu de São Mamede, filho de Teódoto e Rufina”.

S. Mamede figura entre os santos curadores, talvez pela sua associação ao suplício das entranhas dilaceradas. O Santo Mártir, é lembrado na cura dos males do aparelho digestivo e alivio das dores internas, inclusive o parto.

Resumidamente, Mamede foi um propagador da Mensagem Apostólica de Jesus Cristo, tendo sido perseguido e martirizado. Foi posteriormente santificado, sendo padroeiro de inúmeras comunidades espalhadas por todo o Mundo, tal como acontece com a nossa comunidade de S. Mamede em Lisboa.

São Mamede Rogai por nós que atravessamos o mundo agora.

Algumas referências associadas ao Mártir S. Mamede:

• S. Mamede – cidade no Paraíba (Brasil);

• S. Mamede – freguesia no concelho de Évora;

• S. Mamede – freguesia no concelho da Batalha;

• S. Mamede – freguesia no concelho de Lisboa;

• S. Mamede de Coronado – freguesia no concelho da Trofa;

• S. Mamede de Escariz – freguesia no concelho de Vila Verde;

• S. Mamede de Este – freguesia no concelho de Braga;

• S. Mamede de Infesta – freguesia no concelho de Matosinhos;

• S. Mamede de Negrelos – freguesia no concelho de Santo Tirso;

• S. Mamede de Recezinhos – freguesia no concelho de Penafiel;

• S. Mamede de Ribatua – freguesia no concelho de Alijó;

• Azinheira dos Barros e S. Mamede do Sódão – freguesia no concelho de Grândola;

• Batalha de S. Mamede – batalha travada em 1128, entre os partidários de Afonso Henriques e as tropas da sua mãe, Teresa de Leão;

• Igreja de S. Mamede – igreja situada em Évora;

• Igreja de S. Mamede – igreja situada em Lisboa;

• Igreja de S. Mamede – igreja situada em S. Mamede de Ribatua.

___________________________________________________________________
Referências:

(1) – Capadócia: é uma região histórica e turística da Anatólia Central, situada na Turquia.

Em muitos mapas, o nome da Capadócia não é mencionado, uma vez que não corresponde a qualquer demarcação política.

(2) – Cárcere: actualmente denomina-se por prisão.

(3) – Cesareia: localiza-se na Costa do Mediterrâneo, a meio do caminho entre Tel Aviv e Haifa.

(4) – Monte Algeo: é um antigo vulcão, já extinto, na Turquia, situado na Anatólia Central, a cerca de 25km de Cesareia.

O seu cume mais alto, situa-se a uma altitude de 3916m, e é a montanha mais alta de região, ocupando uma área de 1300km2.

Close Menu